Inscrições

Dia Mundial da Alfabetização

João Baptista Herkenhoff*

Creio que a principal finalidade das datas comemorativas seja provocar a reflexão.

Oito de setembro é o Dia Mundial da Alfabetização.

As datas podem ser lembradas nas escolas, instituições da comunidade e igrejas. Podem suscitar o interesse da imprensa para que abra à discussão pública os temas relacionados com os dias festivos que se sucedem no calendário.

Celebrar datas não é apenas um costume brasileiro. Esse tipo de comemoração é universal e bastante antigo.

 Num programa nacional, ou em programas locais de educação, bom uso pode ser feito das datas comemorativas.

De diversas formas esses dias podem ser lembrados.  A forma de comemorar ou lembrar cada data é um desafio à criatividade de líderes políticos, professores e educadores, bem como dos participantes do respectivo programa.

Estamos nos debruçando neste artigo à face da alfabetização universal, em razão do transcurso recente do Dia Mundial da Alfabetização (oito de setembro).

Quero neste texto reverenciar a memória de dois educadores: a primeira homenagem é para um brasileiro, de projeção internacional. A segunda homenagem eu a presto a uma educadora capixaba.

Acredito que Paulo Freire, a que rendo tributo, nos dá o norte do que deve ser um programa nacional de alfabetização.

Disse esse educador que a alfabetização, a ser garantida a todo o povo, deve possibilitar o acesso ao mundo e o poder de construí-lo com liberdade. Essa é a linha de sua pedagogia libertadora. Alfabetizar não é apenas ensinar a juntar letras. Muitos no Brasil fizeram eleitores juntar letras para garantir a permanência no poder daqueles que não pretendiam libertar o povo, mas sim mantê-lo escravo.

A primeira experiência de educação libertadora levada a efeito por Paulo Freire realizou-se em Pernambuco, seu Estado natal.

Em razão de suas ideias e de sua ação, Paulo Freire foi perseguido, preso e forçado ao exílio. Durante a permanência fora da Pátria, foi consultor do Conselho Mundial das Igrejas, em Genebra, e deu assessoria a governos de países pobres da África.

Zilma Coelho Pinto, educadora cachoeirense, foi a primeira, no Brasil, a compreender que a alfabetização em massa era uma exigência de cidadania. Não foi uma doutrinadora, não escreveu nenhum livro. Foi alguém que “colocou a mão na massa” e convocou governos, entidades, sociedade civil a eleger, como meta prioritária e de realização possível, a alfabetização universal do povo.

Ao lado da Voz do Brasil, alfabeto sonoro que as forças conservadoras querem calar, o alfabeto escrito também incomoda os que não querem perder privilégios.

Não foi sem razão que se fez ouvidos moucos aos apelos de Paulo Freire e de Zilma Coelho Pinto.

*João Baptista Herkenhoff é magistrado aposentado (ES) e escritor. Tem proferido palestras e ministrado seminários em faculdades, seccionais da OAB, igrejas etc.

E-mail: jbpherkenhoff@gmail.com

Site: www.palestrantededireito.com.br

É livre a divulgação deste artigo, por qualquer meio ou veículo, inclusive através da transmissão de pessoa para pessoa.

Raspar cabeça de presos

Saiba Mais

Aquele juiz de Sergipe se perdeu

Saiba Mais

As aventuras de um juiz aposentado

Saiba Mais

O auxílio-moradia e a cortina de fumaça

Saiba Mais
Escola Nacional da Magistratura © 2018 | Todos Direitos Reservados
MENU