Inscrições

AMB e ENM firmam parceria com Associação Moçambicana de Juízes

A AMB e a Escola Nacional da Magistratura da entidade assinaram nesta quarta-feira (17) o protocolo de cooperação com a Associação Moçambicana de Juízes (AMJ). A primeira ação desta parceria será o Seminário Internacional sobre corrupção eleitoral que ocorrerá entre os dias 24 e 26 deste mês, em Pernambuco. O evento científico contará com participação de magistrados de Moçambique, Guiné, Europa e América Latina.

“A AMB e a ENM  caminham no sentido de implementar as pautas culturais e, sobretudo, as pautas de relacionamento por meio da sua participação na União Internacional de Magistrados. A exemplo desse, a ENM compartilha a sua experiência com a magistratura moçambicana”, disse o presidente em exercício da AMB, Gil Guerra.

“Este protocolo apresenta um grande passo para a Associação Moçambicana, pois a parceria poderá dar um pouco da sua experiência judicial moçambicana e também potenciar a formação de juízes moçambicanos em diferentes matérias, uma vez que o Brasil tem uma longa e larga experiência na área da magistratura. Acreditamos que essa parceria vai render bons frutos e rendimentos para a Associação Moçambicana de Juízes”, afirmou o vice-presidente da AMJ, José Macaringue.

O diretor-presidente da ENM, Cláudio dell’Orto, destacou a assinatura do convênio. “É um momento muito importante tanto para nós, da ENM/AMB, mas principalmente para a magistratura brasileira receber a representação dos juízes de Moçambique.  Colocamos à disposição dos colegas vagas nos nossos cursos e a possibilidade de realizarmos cursos em seu país e de intercâmbio  de experiências”, explicou.

Na oportunidade, o diretor internacional da AMB, Rafael de Menezes, contou que há 10 anos a AMB começou a se aproximar junto com Portugal a nível associativo dos colegas africanos de língua portuguesa. “Tenho convivido nesses anos com os moçambicanos e essa troca de experiência é muito importante para a magistratura. Não podemos imaginar um juiz sem capacitação, sem formação e treinamento apto a exercer em plenitude a sua missão constitucional de garantir os Direitos Humanos. A associação tem papel decisivo em fomentar a capacitação pelas escolas”, afirmou.

Opinião compartilhada pelo vice-diretor presidente da ENM, Marcelo Piragibe. “Esse estreitamento é muito importante porque fortalece os países envolvidos, principalmente os mais enfraquecidos. Essa questão de formação de magistrado e independência é a matriz, fonte de existências das escolas judiciais, e o principal é a manutenção e a busca pela independência judicial”, ressaltou.

“Eu quero louvar essa iniciativa dessa assinatura de protocolo e desejo que seja promissor e que os resultados sejam benéficos para o aprimoramento e aperfeiçoamento não só do Judiciário, mas das instituições de modo geral”, frisou o coordenador da Justiça Militar, Edmundo Franca.

O assessor da presidência da AMB José Carlos Kulzer também participou da assinatura.

Enfam - Pela manhã, os magistrados presentes na assinatura do protocolo, o vice-presidente da AMJ, José Macaringue, e o desembargador Fernando Cerqueira se reuniram com o diretor-geral da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam), ministro Humberto Martins. Na reunião, eles acertaram a realização de um convênio possibilitando que os juízes moçambicanos possam assistir às aulas de ensino a distância oferecido pela Enfam, inclusive com a participação de alguns cursos presenciais no Brasil. “O ministro Humberto confirmou uma ampla participação das associações nacionais, em especial da AMB, para a realização de atividades internacionais”, explicou o diretor-presidente da ENM.

Renata Brandão

ENM conclui curso de Gestão Judicial em Brasília

Saiba Mais

Prorrogadas as inscrições para Seminário sobre Direito Militar na Grécia

Saiba Mais

ENM promove curso sobre Sistema Concursal Brasileiro

Saiba Mais

AMB participa do III Encontro da Rede Nacional de Cooperação Judiciária

Saiba Mais
Escola Nacional da Magistratura © 2018 | Todos Direitos Reservados
MENU