Inscrições

Uma reflexão sobre o princípio "competênciacompetência" na arbitragem

José Lucio Munhoz

Em palestra que proferi num congresso para magistrados, em Lisboa, sobre a arbitragem na formação do território brasileiro,2 percebi, ao final, certa reação de alguns participantes, demonstrando discordância com a informação de que a cláusula de arbitragem possui independência em relação ao contrato do qual faz parte. Esclarecia eu que a nulidade do contrato não gera, automaticamente, a nulidade da cláusula de arbitragem (art. 8º, “caput”, da Lei de Arbitragem – nº 9.307/1996),3 e que mesmo essa eventual nulidade deveria ser apreciada originariamente pelo próprio tribunal arbitral, não pelo Judiciário (art. 8º, parágrafo único).4 Aquelas reações partiram da premissa da inafastabilidade da jurisdição e se apresentaram aproximadamente desse modo: “Isso é um absurdo. Querem impor a arbitragem mesmo em face de um contrato nulo e sem a análise do Judiciário. Isso é inconstitucional!”.

Clique aqui e leia o artigo na íntegra.

Morre a MP 927, da pandemia, e deixa um pandemônio

Saiba Mais

PL 1397/20: Medidas de enfrentamento da crise da pandemia, por Aline Mendes de Godoy e Luiz Henrique Bonatelli

Saiba Mais

Uma reflexão sobre o princípio "competênciacompetência" na arbitragem

Saiba Mais

Tratado de Tordesilhas não foi um exemplo de arbitragem

Saiba Mais
Escola Nacional da Magistratura © 2018 | Todos Direitos Reservados
MENU